Últimas

Áreas atingidas pela cheia no Centro de Manaus recebem estrutura para bombear água parada e ações de limpeza para combater mau cheiro

 Empresa montou sistema para diminuir os impactos em locais atingidos pela subida das águas do Rio Negro na região central


A cheia do Rio Negro em 2021 já é a segunda maior da história e a rotina de várias regiões da cidade foi afetada por conta deste fenômeno da natureza. Para diminuir os impactos causados pela subida das águas do rio, a concessionária Águas de Manaus está realizando um pacote de ações, em parceria com a Prefeitura de Manaus, na região Central de Manaus. 

Na rua Barão de São Domingos, que já foi completamente tomada pelas águas, a empresa instalou um sistema para impedir que a água do Rio Negro fique parada no local. Três bombas e cerca de 600 metros de tubulações foram implantadas sob as pontes de madeira construídas pela Prefeitura. Os equipamentos bombeiam a água por dentro das tubulações durante o dia, fazendo com que ela circule e seja devolvida para o Rio Negro. 

 


A estrutura temporária implantada pela concessionária reduz os riscos causados pela água parada, melhorando as condições de quem trabalha ou frequenta a região da Manaus Moderna. “É a primeira vez que realizamos esse tipo de trabalho na cidade. Estudamos a área nas últimas semanas e chegamos a solução de instalar bombas e tubulações para fazer a água circular. Com isso, os impactos causados pela água parada serão menores, tanto para comerciantes quanto para a população que passa pelo local”, explicou o gerente de operações da Águas de Manaus, Diogo Freitas. A concessionária estuda implantar o sistema de bombeamento de água em outras ruas do Centro, como a avenida Eduardo Ribeiro. 

 


A empresa também avaliou as condições da água que invadiu ruas como a Barão de São Domingos, Travessa Tabelião Lessa, dos Barés e avenida Eduardo Ribeiro, nas proximidades do Relógio Municipal. Equipes do setor de controle de qualidade da empresa realizaram testes de Ph para medir a acidez da água. 

A partir dos dados coletados, a Águas de Manaus e a Prefeitura decidiram utilizar produtos químicos para reduzir a presença de bactérias e o mau cheiro nestes locais. Desde terça-feira (18), equipes da empresa estão despejando cal nas ruas impactadas pela cheia e os trabalhos devem seguir pelas próximas semanas. 


ÁGUA POTÁVEL NA FEIRA - Outro serviço executado pela Águas de Manaus no Centro é a extensão de rede que vai garantir água tratada para a nova feira flutuante da Manaus Moderna, inaugurada pela Prefeitura na manhã desta quarta-feira (19) para abrigar os permissionários cujos boxes foram afetados pela cheia. A concessionária implantou uma estrutura de 450 metros de tubulações de 32 mm e ligações individuais para os boxes. A estrutura da feira ainda conta com quatro reservatórios que podem armazenar até 12 mil litros de água tratada.

Para o diretor-executivo da Águas de Manaus, Diego Dal Magro, a concessionária vem fazendo sua parte nas ações de combate aos efeitos da cheia. “Nosso compromisso é de trabalhar pela qualidade de vida da população de Manaus. A cheia é um fenômeno natural, que a cada ano tem uma dinâmica diferente. Mas, com ações paliativas, estamos reduzindo os impactos, principalmente para as pessoas que circulam pelo Centro. Seguimos à disposição do poder público para colaborar no que for possível”, destacou.

Nenhum comentário