Últimas

Pazuello culpa Governo do Amazonas por colapso e fechamento dos hospitais de Campanha no estado

Ex-ministro afirmou que administração local não se atentou à falta de oxigênio e ainda fechou hospital de campanha em Manaus



O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello culpou o Governo do Amazonas pelo colapso sanitário ocorrido no estado em janeiro de 2021. O general da ativa do Exército faz seu segundo dia de depoimento à CPI da Covid nesta quinta-feira (20).


De acordo com Pazuello, a Secretaria Estadual de Saúde não percebeu a queda na oferta de oxigênio no início deste ano e o governo local ainda fechou em 2020 um hospital de campanha em Manaus que ficou apenas três meses em funcionamento.


O primeiro dos 24 senadores inscritos para fazer perguntas neste segundo dia de oitiva foi Eduardo Braga (MDB-AM).

O senador mostrou uma matéria do jornal A Crítica, da capital do Amazonas, de 6 de janeiro, na qual se fala que empresas adotavam medidas emergenciais para evitar o fim do oxigênio em Manaus. 


"Todas as autoridades deveriam saber disso também", declarou o parlamentar.

"Nessa mesma matéria, diz que houve um acréscimo de 340% em internações em UTIs e leitos clínicos de covid de dezembro para janeiro", prosseguiu.


Segundo Braga, a reportagem cita ter procurado a Secretaria de Estado da Saúde, que teria afirmado que não havia falta de oxigênio no Amazonas.

Pazuello disse que ficou claro para ele que a pasta estadual da Saúde "não tinha como foco o acompanhamento do insumo fornecido". E voltou a dizer que só tomou conhecimento do problema depois que ele havia ocorrido.


"A empresa White Martins, que é a grande fornecedora de oxigênio, já vinha consumindo sua reserva estratégica e também não foi clara em relação a isso", disse o ex-ministro.


"Mas se a Secretaria de Saúde [do estado] tivesse acompanhado de perto, teria descoberto que estava sendo consumida uma reserva estratégica.


O general do Exército negou qualquer culpa do governo federal no colapso da falta de oxigênio no Amazonas. "Da nossa parte, nós fomos muito proativos quando tomamos conhecimento."

Braga fez a réplica. "Fez nada, porque o senhor não providenciou avião para buscar oxigênio na Venezuela. Nem o senhor nem ninguém, e o que aconteceu? Vidas se perderam em razão da covid."

Pazuello afirmou ainda que não coube ao Ministério da Saúde o fechamento do hospital de campanha de Manaus Nilton lins, aberto em abril e fechado em junho de 2020. 


"Tanto a abertura quanto o fechamento foram determinados pelo Governo do estado do Amazonas."


Na quarta-feira (19), em seu depoimento de mais de sete horas, Pazuello entrou em contradição ao dizer que soube da crise em Manaus no dia 10 de janeiro, mas foi confrontado com um ofício, no qual o ex-secretário executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, afirma que a pasta soube dos problemas de oxigênio no estado na noite do dia 7 de janeiro, em uma conversa com o secretário de Saúde do Amazonas.




Fonte: r7


Nenhum comentário