Últimas

Amazonas tem o maior número de inscritos nos Prêmios Literários Cidade de Manaus 2022



Com o encerramento do prazo de inscrição, em (25/04) dos Prêmios Literários Cidade de Manaus 2022, pela Prefeitura de Manaus, por meio do Conselho Municipal de Cultura (Concultura) e da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), a novidade dessa edição é a maior presença dos escritores do Amazonas, com 170 inscritos, superando os Estados de São Paulo (123), Minas Gerais (62) e Rio de Janeiro (55), que habitualmente concentravam o maior número de inscritos nos anos anteriores.

 

Para o presidente do Concultura, Tenório Telles, a performance alcançada pelos escritores de Manaus e do Amazonas reflete o esforço da gestão municipal em incentivar a literatura regional e as mudanças anunciadas pelo prefeito David Almeida.

 

“Temos realizado eventos literários, incentivando os criadores da palavra que são locais, e também a participação dos jovens escritores que anseiam por oportunidades de aprendizagem e reconhecimento".

 

O total de inscritos este ano foi de 676, tendo como principais Estados concorrentes: Amazonas (170), São Paulo (123), Minas Gerais (62), Rio de Janeiro (55), Paraná (50), Bahia (31), Ceará (28), Rio Grande do Sul (26), Distrito Federal (24), Santa Catarina (17), Pará (16), Goiás (11), Pernambuco (11), Paraíba (8), Rio Grande do Norte (8), Espírito Santo (7), Maranhão (6), Alagoas (5), Rondônia (4), Roraima (4), Mato Grosso do Sul (3), Amapá (2), Mato Grosso (2), Piauí (2) e Tocantins (1). 

 

A cidade de Manaus teve o maior número de inscritos (170), superando as grandes metrópoles: São Paulo (45), Belo Horizonte (27), Rio de Janeiro (23) e Curitiba (20). 

 

A categoria poesia é disparada a mais concorrida entre as nove categorias, e o número de inscritos em cada gênero ficou com a configuração a seguir: Nacional III – Prêmio Violeta Branca Menescal, destinado ao melhor livro de poesia (201); Nacional VI – Prêmio Alfredo Fernandes, destinado ao melhor texto ou livro de literatura infantojuvenil (149); Nacional II – Prêmio Arthur Engrácio, destinado ao melhor livro de contos e/ou crônicas (123); Nacional I - Prêmio Álvaro Maia, destinado ao melhor romance ou novela (118); Nacional VII – Prêmio Álvaro Braga, destinado ao melhor texto de teatro (36). 

 

Para o conselheiro de Literatura do Concultura, Dori Carvalho, esse número expressivo deve ter entre os motivos, o chamamento público às pessoas para se inscreverem. Sobre a impressão em papel das obras dos vencedores, ele acredita que estimula os concorrentes.

 

"A gente que escreve ainda guarda essa fantasia, ou mesmo esse amor pelo livro físico, pelo papel e tinta. As outras mídias são importantes, um caminho que não tem volta, mas o livro não se perderá, ele poderá ter outras formas ou veículos, mas sempre será o livro". 

 

Inovação


Como um dos concursos literários mais importantes e aguardados do país, este ano terá o retorno da impressão em papel das obras vencedoras. Outra novidade é a criação de uma nova categoria regional: o prêmio Djalma Batista, destinado ao melhor texto de temática amazônica. 

 

A reformulação desta edição apresenta outra mudança importante, com a fusão de categorias que passam a ser de nove e não mais de 20, como nos anos anteriores.

 

Os prêmios em dinheiro permanecem em R$ 5 mil para as categorias nacionais, unificadas, e R$ 3 mil para as regionais, em apenas duas modalidades.

 

Antecipação

 

Pelo segundo ano consecutivo, a Prefeitura de Manaus antecipou a realização e lançou no dia 11/3, o edital dos Prêmios Literários Cidade de Manaus 2022, no salão do Palácio Rio Branco, com sarau promovido pelo Concultura e Manauscult.

 

Os Prêmios Literários Cidade de Manaus se consolidam, em âmbito local e nacional, como um dos mais expressivos concursos literários do país. Nesta edição 2022, além da premiação em dinheiro, as obras vencedoras serão impressas e lançadas pela Prefeitura de Manaus, como forma de promover a literatura local e incentivar os novos talentos.



Texto: Cristóvão Nonato / Concultura

Nenhum comentário