Últimas

Homem é internado após tentar operar o nariz em casa

Técnicas caseiras, além de ineficazes, podem piorar o aspecto do nariz e acarretar complicações graves. YouTube afirma que vídeos estão em análise para eventual remoção.




Um paciente foi admitido na noite da última quinta-feira (21) em um pronto-socorro na região do Campo Limpo, na Zona Sul de São Paulo, com um ferimento no nariz após uma tentativa de "rinoplastia caseira".


Médicos ouvidos pelo g1 destacaram que técnicas caseiras para afinar o nariz, além de ineficazes, podem piorar a aparência e acarretar complicações graves, como necroses, infecções, obstrução nasal e choque anafilático, condições que podem até mesmo levar à morte.


O paciente atendido teria se guiado por vídeos da internet e utilizado álcool 70% para higienizar a região do nariz durante o procedimento. Ele teria relatado aos médicos que não usou luva nem limpou o sangue “para não abrir os pontos”, mas que utilizou um anestésico veterinário e finalizou o procedimento com “sutura com fio absorvível e super-bonder”.


Vídeos sobre como fazer procedimentos caseiros para reduzir ou afinar o nariz, divulgados na internet como "rinoplastias caseiras", se proliferaram em redes sociais como o YouTube.


O paciente recebeu alta hospitalar no mesmo dia, além de encaminhamento para retorno com a especialidade BMF. Ele foi encaminhado para também seguir atendimento na rede com serviço de psicologia.


Além disso, filmagens de cirurgias feitas em hospitais por médicos qualificados também têm sido usadas por usuários das redes sociais, que tentam "copiar" os procedimentos hospitalares em casa, de acordo com médicos ouvidos pela reportagem.


O YouTube Brasil informou, em nota, que todos os conteúdos "precisam seguir nossas Diretrizes de Comunidade, e não permitimos material que incentive atividades perigosas com risco de danos físicos graves ou de morte. Contamos com uma combinação de sistemas inteligentes, revisores humanos e denúncias de usuários para identificar conteúdo suspeito e remover o que esteja em desacordo com nossas políticas assim que localizado. Os vídeos enviados pela reportagem estão em análise".




*Com informações G1

Nenhum comentário