Últimas

PF cumpre mandados de busca e apreensão em endereços da família Cameli na Ponta Negra


Equipes da Polícia Federal e da Controladoria-Geral da União (CGU) cumpriram mandados de busca e apreensão nos condomínios residenciais Reserva das Águas e Jardim das Américas, na Ponta Negra, na manhã desta quinta-feira (16), na casa de parentes do governador do Acre, Gladson Cameli, que é alvo da “Operação Ptolomeu”, com desdobramentos em Brasília, Acre e Amazonas.


Cerca de 150 policiais federais, cumprem 40 mandados de busca e apreensão e um de prisão, expedidos pelo Tribunal Superior de Justiça (TSJ), numa investigação com objetivo de desarticular uma organização envolvida em corrupção e lavagem de dinheiro relacionados à cúpula do governo acreano em torno de R$ 800 milhões.


No Jardim das Américas, um dos mais caros da capital amazonense, quatro veículos de luxo foram apreendidos. No Reserva das Águas, os agentes em dois carros caracterizados da PF saíram levando um malote. Nesses endereços moram familiares do governador acreano, que antes de eleito morava em Manaus. Um dos deles Eládio Cameli, da Construtora Etam, que realizou dezenas de obras no Amazonas.


O STJ decretou, ainda, várias medidas cautelares o afastamento da função pública, a proibição de acesso a órgãos públicos e o impedimento de contato entre os investigados. Somando-se a isso, o STJ determinou o bloqueio de aproximadamente R$ 7 milhões nas contas dos investigados, além do sequestro de veículos de luxo adquiridos com o proveito dos crimes.



A investigação da PF identificou dezenas de transações financeiras suspeitas em contas correntes, pagamentos de boletos de cartão de crédito por pessoas interpostas, transações com imóveis de alto valor e aquisições subfaturadas de veículos de luxo.


Também ficou constatada a prática constante de altas movimentações de valores em espécie, inclusive com uso do aparato de segurança pública. A CGU apurou que as empresas envolvidas possuem um grande volume de contratos com o poder público. O valor total empenhado para sete empresas foi de 142 milhões de reais durante o período analisado, sendo 17 milhões oriundos de convênios federais e repasses do SUS e do FUNDEB.


Ficou constatado ainda a movimentação de valores pelos envolvidos que ultrapassam R$ 800 milhões, montante incompatível com o patrimônio e a atividade empresarial dos investigados.


Operação


O nome da operação faz referência ao apelido utilizado por um dos principais “operadores” do esquema criminoso, além de aludir à cidade natal de grande parte dos investigados. Ptolomeu foi um cientista, astrônomo e geógrafo de origem grega, que primeiro catalogou a Constelação do Cruzeiro do Sul – nome de uma das cidades do Acre onde a polícia cumpre mandados – em seu livro Almagesto, produzido no século II.



Fonte: portal você 

Nenhum comentário