Últimas

Universal diz à Justiça que Andresa Urach é ingrata e mente para enriquecer

 


A Igreja Universal do Reino de Deus disse à Justiça que a modelo Andressa Urach mente ao declarar que as doações que fez à instituição ocorreram após ter sofrido "coação" de pastores e "lavagem cerebral". 


A modelo cobra na Justiça do Rio Grande do Sul a devolução de cerca de R$ 2 milhões em doações, feitas à Universal entre 2015 e 2019.


Andressa disse no processo que foi "abduzida" pela Igreja após um problema grave de saúde e que, "iludida pelas promessas de solução espiritual", passou a contribuir financeiramente com a Universal, o que lhe teria causando "a perda desenfreada do seu patrimônio". 


“Fui iludida, ludibriada, enganada e escancaradamente roubada pela Igreja, durante um momento de total fraqueza", afirmou na ação.


Além da devolução das doações, ela exige uma indenização por danos morais. Segundo a modelo, foram doados quatro veículos (Porshe Cayenne, Land Rover Evoque, Renaut Fluence e Hyunday i30) e R$ 1,5 milhão em dinheiro. 


Ao se defender à Justiça, em documento apresentado no final de fevereiro, a Universal declarou que o processo é um ato "maquiavelicamente" criado pela modelo para se promover. Disse que Andresa é ingrata e que busca "enriquecer ilicitamente" às suas custas.


A Universal afirmou que Andressa frequentou a Igreja por mais de cinco anos e que o auxílio espiritual lhe trouxe "paz, conforto, mudança de vida, princípios, diretrizes racionais e ascensão financeira". A 


Igreja de Edir Macedo afirmou que Andressa ganhou muito dinheiro ao escrever um livro contando sobre a sua conversão espiritual e que fez as doações por livre vontade.


"É evidente que tinha condições de discernir e poderia ter deixado de frequentar a Igreja", afirmou. “Porém, estranhamente, somente o fez após cinco anos de convivência e do lançamento de dois livros narrando sua biografia." 


Os advogados da Universal anexaram ao processo uma entrevista segundo a qual Andressa disse que as doações foram uma "questão de consciência", pois se tratava de dinheiro sujo, proveniente da prostituição.


De acordo com eles, a ação é uma "infeliz tentativa" de Andressa de se promover pessoal e profissionalmente às custas da Universal. 


Em setembro do ano passado, em um primeiro documento enviado à Justiça, a Igreja já havia declarado que Andresa agia com "má-fé" ao dizer que, em razão das doações feitas à Universal, não tinha condições nem mesmo de arcar com as taxas judiciais que são cobradas para o andamento do processo (cerca de R$ 50 mil) no Rio Grande do Sul. 


Andressa respondeu à época que a Universal "faltava com a verdade". O processo ainda não foi julgado. 




Fonte: UOl

Nenhum comentário